Animale e café certificado integram nova lista suja do trabalho escravo

03/04/2019
Cadastro divulgado hoje tem 48 novos empregadores. Certificadoras vão suspender selo de boas práticas de produtor de café. Grife de luxo subcontratou costureiros imigrantes bolivianos e os submeteu a jornadas de mais de doze horas por dia

A nova “lista suja” do trabalho escravo, divulgada hoje (3) pelo Ministério da Economia, traz 48 novos empregadores. A Animale, marca de roupas de luxo que subcontratou costureiros imigrantes bolivianos e os submeteu a jornadas de mais de doze horas por dia passa a integrar o cadastro. Os 10 trabalhadores resgatados dormiam nas oficinas, dividindo o espaço com baratas e instalações elétricas mambembes com risco de incêndio, conforme revelou a Repórter Brasil em dezembro de 2017. Essa é a primeira “lista suja” do trabalho escravo divulgada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

Outro novo integrante da “lista suja” é o produtor da Fazenda Cedro II, do Triângulo Mineiro, Helvécio Sebastião Batista,  que comercializa o Café Fazenda Cedro. A marca de café ostenta selos de boas práticas de certificadoras internacionais. Duas delas, a Nespresso e a Rainforest Alliance, informaram à Repórter Brasil que suspenderão a certificação. A Starbucks vai investigar e disse que pode suspender.

leia mais Repórter Brasil …

 

 

Please follow and like us:

Link permanente para este artigo: https://brasildemocratico.net/site/animale-e-cafe-certificado-integram-nova-lista-suja-do-trabalho-escravo/